Visões Úteis

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Mostrar artigos por etiqueta: 2011
Quinta, 19 Janeiro 2012 18:35

Monstros de Vidro [Guião]

Guião da peça homónima de 2011. Um espectáculo sobre os monstros que as comunidades criam para expiar a sua culpa.

Este guião foi editado como parte do nosso livro "Caderno IV", que pode ser adquirido através da livraria online da EUEDITO.

Licença Creative Commons

"Monstros de Vidro" de Ana Vitorino e Carlos Costa está publicado ao abrigo duma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Portugal License. Descarregue, partilhe, utilize e transforme. Mas exclusivamente para fins não comerciais e creditando sempre as autorias originais. E volte a partilhar eventuais obras derivadas deste mesmo modo.

Publicado em Textos Originais
Segunda, 16 Janeiro 2012 18:56

Viagens com Alma - Audio-walks

"Há dias em que, ao entrar pelo lado da sacristia, não consegue evitar a impressão de que os santos se moveram durante a noite."

O Visões Úteis é parceiro artístico do projecto "Viagens com Alma", promovido pela Diocese do Porto, no âmbito do qual criou e produziu um conjunto de trabalhos artisticos, nos quais se incluem estes audio-walks.


Os quatro mini audio-walks que integram o projecto Viagens com Alma, abriram ao público a 23 de Maio de 2011 nas localidades de Cête, Vairão, Paço de Sousa e Santo Tirso. Quatro percursos que cruzam a ficção com a arquitectura e o espírito de quatro mosteiros do Distrito do Porto, e que espelham diferentes relações entre o imaterial - a devoção humana -  e o material - os lugares, objectos e rituais que concretizam essa devoção.

Inspirados na experiência do projecto A Língua das Pedras, que desenvolvemos em 2010 para a comemoração dos 1100 anos da Ordem de Cluny, estes audio-walks foram ainda acompanhados de instalações e intervenções plásticas que sublinhavam a ligação entre este património local e a rede europeia de monumentos e sítios cluniacenses.

À semelhança de projetos anteriores, o realizador italiano Michele Putortì realizou uma leitura vídeo da experiência destes quatro audio-walks.

Os audio-walks "Viagens com Alma" estrearam a 23 de Maio de 2011 e mantiveram-se disponíveis ao público em Cête e Santo Tirso até ao final do mês de Julho, em Vairão até ao final de Agosto e em Paço de Sousa até ao final de Setembro de 2011.

Mosteiro de São Pedro de Cête
Largo do Mosteiro, Cête, concelho de Paredes
Coordenadas GPS: 41° 10' 50.790" N / 8° 22' 0.456" O

Mosteiro de São Salvador de Paço de Sousa
Largo do Mosteiro, Paço de Sousa, concelho de Penafiel
Coordenadas GPS: 41° 9' 57.398" N / 8° 20' 41.085" O

Mosteiro de São Salvador de Vairão
Largo do Mosteiro, Vairão, concelho de Vila do Conde
Coordenadas GPS: 41º 19' 58.25" N; 8º 40' 12.02" O

Mosteiro de Santo Tirso de Riba d’Ave
Largo Abade Pedrosa, Santo Tirso
Coordenadas GPS: 41° 20' 42.04" N / 8° 28' 18.03" O


Viagens com Alma - Audio-walks
39ª Criação Visões Úteis

Direcção e Texto
Ana Vitorino e Carlos Costa

Investigação e Colaboração na Dramaturgia
Ana Silveira Ferreira

Colaboração na escrita
Nuno Casimiro

Paisagem Sonora e Engenharia de Som
João Martins

Intervenções plásticas no percurso
Inês de Carvalho

Interface Digital
João Martins/entropiadesign

Vídeo
Michele Putortì

citações de Kaváfis e Yeats em versão de Maria Helena Guimarães

Interpretação
Adelaide Teixeira, Alice Costa, Ana Luisa Azevedo, Ana Vitorino, Bárbara de Sá, Carlos Costa, Leandro Havelda, Lígia Roque, Luis Ribeiro, Manuel Tur, Marina Freitas, Miguel Rosas, Pedro Carreira, Thomas Scanlon, Valdemar Santos

Coordenação Financeira
Pedro Carreira

Coordenação Técnica
Luís Ribeiro

Produção Executiva
Joana Neto

Assistência de Produção
Helena Madeira

Grafismo
entropiadesign a partir de imagem de Manufactura Independente

Produção
Visões Úteis para o Departamento de Bens Culturais da Diocese do Porto


Classificação Etária – M12
Duração - aprox. 25 minutos cada percurso

Segunda, 16 Janeiro 2012 16:28

Monstros de Vidro

"E é aqui que começamos a perguntar: se perdermos o controlo e nos espatifarmos lá em baixo, como é que estar dobrado para a frente com as mãos sobre a cabeça me vai salvar a vida? E se isto não me salva a vida, porque é que eles querem que eu me ponha nesta posição?"



Sinopse

Em 2001 o Visões Úteis co-produziu com o TNSJ o espectáculo “Orla do Bosque”. Tratava-se do último momento de um longo processo criativo, intitulado “Visíveis na Estrada Através da Orla do Bosque”, que se iniciou com o espetáculo “Estudos”, e que pelo meio passou por uma viagem de um mês pela Europa, ao encontro de diversas figuras da arte, arquitetura, cultura e política, conversando e refletindo sobre as ideias de fronteira, alteridade, espaço público e viagem. Todo o processo, e em particular o espetáculo “Orla do Bosque”, acabava por ser a reflexão de uma geração – a entrar nos 30 anos – acerca do seu papel na cidade, no espaço público. Um olhar desconfiado sobre o momento de otimismo e euforia consumista que as sociedades ocidentais atravessavam.

Em 2011 o TNSJ acolheu uma nova criação do Visões Úteis. “Monstros de Vidro” parte do desejo de falar do modo como, desde sempre, se criaram mitos e monstros para explicar e sublimar os acontecimentos traumáticos – os que acontecem devido a causas incontroláveis, mas também aqueles que resultam diretamente das nossas próprias ações enquanto indivíduos e comunidades.
Mas “Monstros de Vidro” é também um regresso ao espetáculo “Orla do Bosque”, uma década depois. Não para recriar ou atualizar esse espectáculo mas para lançar um novo olhar crítico ao nosso aqui e agora, partindo das perguntas e premissas de então. E desse olhar ninguém está a salvo.

A geração dos 30 anos está agora a chegar aos 40. Os pais começaram a morrer, os filhos passaram a ser pais. Agora conseguem reconhecer todos os pontos de vista, e sabem usar as palavras com mestria, articular os argumentos, para justificar todas as suas ações. E nunca estiveram tão perdidos nem tão assustados como hoje. Prontos para criar novos monstros... ou decidir que não.


Monstros de Vidro

40.ª criação Visões Úteis

texto e direção
Ana Vitorino, Carlos Costa

cenografia e figurinos
Inês de Carvalho

banda sonora original e sonoplastia
João Martins

desenho de luz
José Carlos Coelho

elementos gráficos e audiovisuais
entropiadesign

co-criação
Ana Azevedo, Nuno Casimiro, Pedro Carreira


interpretação
Ana Azevedo, Ana Vitorino, Carlos Costa, Pedro Carreira e ainda Inês de Carvalho; voz-off Alice Costa


música adicional: "Perfidia" (Alberto Domínguez), "Music to watch girls by" (Sid Ramin), "Crema Batida" (Al Caiola), "Viva la Vida-Instrumental" (Coldplay)


produção
Visões Úteis

duração aproximada
[1:30]

classificação etária
M/16 anos

 

"Monstros de Vidro" estreou a 25 de Novembro de 2011 no Teatro Carlos Alberto (Porto), num acolhimento do Teatro Nacional S. João. Apresentou-se de seguida em Coimbra – Teatro Académico de Gil Vicente (7 de dezembro) - e Aveiro – Estúdio Performas (10 de dezembro). Continua disponível para itinerância.

Publicado em Espectáculos
Sexta, 11 Fevereiro 2011 18:58

O Vento

"O tempo muda, foge. Morre e volta a ser. Aperto as mãos, respiro devagar. Esqueço tudo, volto a lembrar. O resto... não pára de acontecer."

"O Vento" é mais do que um espectáculo, é um evento-espectáculo dirigido aos mais novos e aos adultos que os acompanham, que não se limitam a ver... são convidados a fazer!

Sinopse

Cada apresentação de "O Vento" é antecedida por uma oficina criativa dirigida pelos próprios intérpretes que preparam os participantes para intervir directamente no espectáculo com acções performativas de expressão sonora, dramática, plástica e de movimento. Os participantes são ainda chamados a tomar decisões que definem uma direcção e um desfecho para a história.

O público dá assim corpo ao vento que impiedosamente molda o cenário físico e emocional de duas personagens que, aos poucos, vão perdendo todas as suas referências... até deixarem mesmo de saber quem são!

"O Vento" é um espectáculo dirigido por uma colaboradora do Visões Úteis, a cenógrafa e figurinista Inês de Carvalho, e nasceu da sua anterior experiência com o projecto “As histórias de Amélia (criações sobre a abundância)”.

O processo de criação de "O Vento" iniciou-se em Novembro de 2010 com uma viagem a Castilla-La-Mancha, em busca dos moinhos e paisagens de Quixote, e continuou com uma residência artística na freguesia da Afurada (Vila Nova de Gaia). Aqui trabalhámos com populações escolares e comunidades para recolher imagens, vídeos, histórias, músicas, enfim, as sementes do espectáculo. Os residentes da Afurada colaboraram ainda na construção do cenário de "O Vento" e puderam experimentar o espectáculo a meio do processo de criação, através de duas exeriências-piloto que realizámos em 2010.

O VENTO
38ª Criação Visões Úteis

um evento-espectáculo a partir do projecto “As histórias de Amélia [criações sobre a abundância]”

direcção
Inês de Carvalho

dramaturgia
Alberta Lemos, Ana Vitorino e Carlos Costa

cenografia e figurinos
Inês de Carvalho

desenho de luz e de imagem
José Carlos Coelho

banda sonora original e sonoplastia
João Martins

projecto fotográfico
Paulo Pimenta

interpretação
Ana Vitorino, Carlos Costa e ainda Alberta Lemos (off)

construção de escadotes
Josué Maia

construção da manta
Visões Úteis e Residentes da Afurada

grafismo
entropiadesign a partir de ilustração de Manufactura Independente

coordenação técnica e operação
Luís Ribeiro

produção executiva e direcção de cena
Joana Neto

assistência de produção
Helena Madeira

classificação etária
M4

duração aproximada
90 minutos (Oficina + Espectáculo)

O Vento fez a sua temporada de estreia entre 22 e 30 de Janeiro de 2011, na sala de ensaios do Teatro de Ferro (Gaia), com sessões para o público escolar e para o público geral. Em Agosto de 2011 apresentou-se em Ciudad Rodrigo (Espanha) na 14ª Feria de Teatro de Castilla y León. Em 2012 fez já uma temporada para escolas do ensino básico no Balleteatro Auditório (Porto) e apresentou-se no Teatro Municipal da Guarda.
Continua disponível para itinerância.

Publicado em Espectáculos

O Visões Úteis é uma estrutura financiada

Ministério da CulturaDireção Geral das Artes

O Visões Úteis é membro

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes Cénicas IETM - International Network for Contemporary Performing Arts Anna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável